Presidentes e Vice Presidentes-Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela

O Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE),  reunido no dia 20 de fevereiro elegeu, por unanimidade, o Presidente da Câmara Municipal de Seia, Carlos Filipe Camelo, para presidir nos próximos dois anos à CIMBSE e como Vice Presidentes, o Presidente da Câmara de Pinhel, Rui Ventura e o Presidente da Câmara de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca. Para os dois anos seguintes foram eleitos para Presidente do Conselho Intermunicipal da CIMBSE o Presidente da Câmara de Gouveia, Luís Tadeu e para Vice Presidentes o Presidente da Câmara de Manteigas, Esmeraldo Carvalhinho e o Presidente da Câmara de Almeida, António Machado.

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela corresponde às Unidades Territoriais Estatísticas de Nível III (NUT III) da Serra da Estrela, Beira Interior Norte e Cova da Beira e é composta pelos Municípios de Almeida, de Belmonte, de Celorico da Beira, da Covilhã, de Figueira de Castelo Rodrigo, de Fornos de Algodres, do Fundão, da Guarda, de Gouveia, de Manteigas, da Mêda, de Pinhel, do Sabugal, de Seia e de Trancoso, e adota a designação abreviada de CIM-BSE.

A CIM-BSE, pretende ser um parceiro regional, capaz de implementar práticas de gestão que permitam identificar e satisfazer as necessidades dos municípios associados e desenvolver estratégias que conduzam a uma maior coesão intermunicipal, com resultados na melhoria de qualidade de vida e no desenvolvimento sustentado da região.

A CIM-BSE, tem como missão potenciar, promover o desenvolvimento da região, de otimizar e defender os interesses comuns dos municípios associados e reforçar a identidade conjunta da região, mediante a articulação de interesses e criação de sinergias e estimulando o desenvolvimento integrado e coletivo, valorizando parcerias, criando sinergias e maximizando resultados.

Os objetivos estratégicos da CIM-BSE são: Aumentar a coesão territorial e intermunicipal; promover e dinamizar o desenvolvimento económico e social na região;
tornar a organização interna mais eficiente e eficaz; e fomentar a participação nas decisões dos municípios associados.

Foto de Câmara Municipal de Seia.

Reunião IEFP – CIMBSE

Decorreu hoje dia 04 de Setembro na Câmara Municipal da Guarda  uma reunião com a Sra. Subdelegada Regional do Centro do Instituto de Emprego e Formação Profissional, com os Srs. Presidentes da Câmara pertencentes à CIMBSE, Associações Empresariais e Organismos de Ensino Superior da Região.
A reunião teve como tema a reflexão e discussão da implementação de uma estratégia especifica de requalificação e valorização do capital humano no território das Beiras e Serra da Estrela, incidindo especialmente na problemática dos desempregados qualificados.

Reunião Diretor Geral da Administração da Justiça – CIMBSE

Decorreu hoje dia 04 de Setembro na Câmara Municipal da Guarda uma reunião com o Sr Director Geral da Administração da Justiça e com os Srs Presidentes da Câmara pertencentes à CIMBSE.
A reunião insere-se nos trabalhos relativos à avaliação global da reforma do mapa judiciário.

 

Formação “Sistema de Normalização Contabilística para a Administração Pública (SNC-AP)”

A CIMBSE vai realizar no próximo dia 08/09/2017, na Câmara Municipal da Guarda, uma ação de formação “Sistema de Normalização Contabilística para a Administração Pública (SNC-AP)”, cujo destinatários são os dirigentes, técnicos superiores e quadros com responsabilidades na área da contabilidade, dos Municípios pertencentes à CIMBSE.

INFORMAÇÕES
DURAÇÃO  8 horas (certificado de frequência será atribuído desde que se registe assiduidade ≥ 90% da carga  horária total e após pagamento)
CÓDIGO CURSO: 17ECB001
DATA :  8 de setembro de 2017
HORÁRIO 9.00H – 13.00 / 14.00H—18.00H
MODALIDADE DE FORMAÇÃO: contínua de atualização FORMA DE ORGANIZAÇÃO: presencial
LOCAL Município da Guarda Praça do Município, 5A Sala António Almeida Santos 6300-035 GUARDA
Regulamento de Funcionamento da Formação  disponível no site do IGAP
INSCRIÇÕES www.igap.pt
IGAP- Instituto de Gestão e Administração Pública Rua de Belos Ares, 160—4100-108 PORTO Tel: 226 005 219 e-mail: igap@igap.pt site: www.igap.pt
D03.2.01.2012
OBJETIVO GERAL Este curso tem como objetivo principal dar a conhecer o âmbito, objetivos e conteúdo do Sistema de Normalização Contabilística das Administrações Públicas (SNC-AP), na ótica da sua aplicação aos municípios.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS No final do curso os formandos deverão ser capazes de:  Deter conhecimentos e práticas que lhes permitam implementar o SNC-AP;  Desenvolver os conhecimentos inerentes ao novo SNC-AP tendo sempre por base uma perspectiva crítica e comparativa de cenários alternativos com o POCAL;  Articular a aplicação do SNC-AP com a Lei de Enquadramento Orçamental e outros diplomas complementares.
CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. Enquadramento; 2. Estrutura conceptual do SNC-AP; 3. Plano de contas multidimensional; 4. Contabilidade e Relato Orçamental (NCP 26), articulação com o Regime Financeiro das Autarquias Locais (Lei n.º 73/2013, de 3 de setembro) e Lei das Autarquias Locais (Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro); 5. O SNC-AP e a LCPA; 6. Contabilidade Financeira (NCP 2 a 25); 7. Inventário e Cadastro (transição do CIBE para o SNC-AP), em especial a aplicação da substância
sob a forma ao património municipal; 8. Elaboração e preparação das Demonstrações Financeiras Individuais e consolidadas (NCP 1 e 22); 9. Contabilidade de Gestão (NCP 27); 10. Do POCAL ao SNC-AP.
DESTINATÁRIOS Dirigentes, Técnicos Superiores; Técnicos Oficiais de Contas; Diretores Administrativos e Financeiros; Quadros com responsabilidades nas áreas de contabilidade, planeamento e controlo e outros utilizadores, preparadores da informação financeira das Autarquias Locais.
METODOLOGIAS FORMATIVAS Recurso aos métodos Expositivo, interrogativo, demonstrativo e ativo. METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO Inicial diagnóstica (questões orais p/ aferição do nível de conhecimentos/expetativas), contínua formativa (oral e prática durante as sessões) e final de reação (questionário individual e debate assistido). RECURSOS PEDAGÓGICOS Documentação de apoio, PC, videoprojector e quadro de escrever.
FORMADOR Pedro Mota e Costa, docente universitário, formador, consultor, ROC

Discurso e apresentação do Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da CIM-BSE

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, na pessoa do Sr. Presidente da CIM-BSE, Dr. Vítor Pereira apresentou o Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, no dia 16 de Setembro de 2015 (quarta-feira), pelas 18 horas, no Anfiteatro das Sessões Solenes da UBI.

Discurso do Sr Presidente da CIM-BSE

Apresentação

Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela

Realizou-se, 2ªfeira, dia 31 de Agosto de 2015, a cerimónia de assinatura do Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

O Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial da CIMBSE negociado e assinado em nome dos 15 Presidentes de Câmara da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, trata-se de um instrumento estratégico e financeiro com um objetivo claro e definido: construir uma região que dentro de uma década lidere o crescimento do Interior do País, sendo reconhecida pela sua dinâmica e atratividade económica, social e cultural e uma referência nacional na valorização dos recursos endógenos e como origem de marcas diferenciadoras e alto valor acrescentado.

Este Pacto enquadrará um leque variado de potenciais projetos dos Municípios da CIM-BSE assentes numa lógica de construção e otimização de recursos intermunicipais, com objetivo de permitir um crescimento sustentado, sustentável e inclusivo de todo o território.

O valor global dos 44 milhões e 600 mil euros desagrega-se nas seguintes rubricas:

– 2 Milhões e 600 mil euros para projetos de modernização administrativa

– 7 Milhões e 750 mil euros para projetos de otimização energética

– 3 Milhões e 363 mil euros para projetos de conservação, proteção e promoção do património cultural

– 1 Milhão 996 mil euros para projetos de conservação, proteção e promoção do património natural

– 2 Milhões e 500 mil euros para o apoio à criação de emprego por conta própria.

– 1 Milhão e 500 mil euros para o apoio ao desenvolvimento de postos de trabalho

– 670 Mil euros para investimentos na área da saúde

– 6 Milhões e 500 mil euros para a prevenção e combate ao abandono escolar

– 15 Milhões e 090 mil euros para o desenvolvimento de infraestruturas de acolhimento de crianças e educação apoiada

– 800 Mil euros para identificação de vulnerabilidades e riscos na CIM-BSE

– 1 Milhão 429 mil euro para investimento em infraestruturas agrícolas e florestais.

Assinatura dos Pactos com as CIM´s

Assinatura dos Pactos para o Desenvolvimento e Coesão Territorial com as Comunidades Intermunicipais da Região

Vai ser assinado no dia 31 de Agosto pelas 16 horas na CCDRC o pacto para o desenvolvimento e coesão territorial com as CIM´s e conta com a presença de suas Excelências, o Ministro Adjunto do Desenvolvimento Regional, Prof. Dr. Miguel Poiares Maduro, e o Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Dr. Manuel Castro Almeida.

CIM das Beiras e Serra da Estrela recebe 44 ME

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela vai receber cerca de 44 milhões e 600 mil euros do Pacto para o desenvolvimento e coesão territorial.

As negociações com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Centro estão fechadas e o documento será assinado nos próximos dias. Para o presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela foi o valor “possível” mas aquém das expectativas.

“Todos tínhamos expectativas mais elevadas, de norte a sul do país não há nenhuma comunidade satisfeita com os valores que foram contratualizados, porque este quadro comunitário tem uma predominância do setor privado (60%) sobre o setor público (40%), depois, salvo raras exceções, este quadro comunitário é muito virado para o imaterial, são diferenças que geram algum descontentamento”, frisa Vítor Pereira que recorda que ainda existem ainda muitos municípios “sobretudo no interior, que ainda não encerraram o ciclo das infraestruturas físicas como vias públicas e obras para concretizar, mas nessa área o novo quadro comunitário é castrador”. O autarca diz que todos se empenharam na melhor negociação para a região mas está foi a “verba possível e que ficou aquém do que pretendíamos e do que os nossos territórios precisam”.

Dos 44 milhões e 600 mil euros a maior fatia, 21 milhões, vai para a área da educação “na redução e prevenção do abandono escolar temos prevista a verba de 6,5 milhões de euros, no desenvolvimento de infraestruturas de educação cerca de 15 milhões de euros, 9 milhões e 300 mil têm a ver com investimentos nos concelhos do Fundão, Covilhã, Pinhel, Celorico da Beira, Seia e Guarda, têm a ver com o ensino secundário, a verba remanescente tem a ver com a pré-escola e o ensino básico”.

Vítor Pereira destaca as restantes áreas de intervenção definidas e com pacote financeiro atribuído no pacto de desenvolvimento e coesão territorial “na área da modernização administrativa está previsto o valor de 2 milhões e 600 mil euros, na optimização energética 7 milhões 750 mil euros, na conservação e protecção do património cultural cerca de 4 milhões, no património natural 2 milhões, a criação de emprego por conta própria 2,5 milhões de euros”. O pacto deverá ser assinado nos próximos dias.

Fonte: Beira.pt